China 2016

O GP da China de 2016 foi uma daquelas corridas em que tudo poderia ter acontecido. Mesmo sem chuva, o caos deu as caras em Xangai, e fez com que a terceira etapa do Mundial fosse a mais divertida até aqui.

Como sempre, em tópicos.

largada

Largada do caótico GP da China (Foto: Getty Images)

Mercedes – Nico Rosberg vive uma realidade que nem em seus mais belos sonhos ele poderia imaginar. Com a sorte ao seu lado, o alemão fez uma bela corrida, mesmo tendo largado mal e perdido a ponta para Daniel Ricciardo, impôs um domínio acachapante e venceu com o pé nas costas a sua terceira corrida na temporada (sexta seguida desde o GP do México de 2015), e abriu uma confortável vantagem para seu companheiro de equipe no Mundial. Já Lewis Hamilton padeceu no extremo oriente. O britânico ficou sabendo que teria que perder cinco posições no grid, devido a uma troca de câmbio, teve problemas com sua unidade de potência no sábado e nem marcou tempo na qualificação. Largou em último. Na largada se enroscou com Felipe Nasr, teve que fazer cinco pit stops, e ainda ficou agarrado atrás de Felipe Massa no fim da prova, quando vinha escalando o pelotão. O sétimo lugar deixa um gosto amargo na boca do tricampeão, e é sinal de que 2016 pode ser um ano muito longo para ele.

rosberg

Rosberg vence mais uma e abre boa vantagem no Mundial (Foto: Sutton Motorsport Images)

Ferrari – A Máfia de Maranello mostrou que ritmo de corrida eles têm, e seus pilotos mostraram o porquê de serem campeões do mundo. Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen tiveram um pequeno enrosco na largada, ambos com seus carros danificados, tiveram que ir aos boxes e precisaram fazer corridas de recuperação. Com excelente ritmo os dois conseguiram se recuperar. Vettel chegou num excelente segundo lugar e Raikkonen em quinto, com direito a uma brilhante ultrapassagem sobre Lewis Hamilton no fim da prova. Definitivamente a Ferrari mostra que vem evoluindo de forma sólida, o bom trabalho do time tem sido recompensado com ótimas posições nas corridas. Ainda vai incomodar bastante a Mercedes esse ano. Um adendo: Sebastian Vettel deveria ter sido punido pela dupla ultrapassagem que fez na entrada dos boxes sob bandeira amarela, não foi e a não punição ajudou bastante no resultado final do germânico.

raikkonen

Raikkonen e Vettel se tocaram e tiveram de fazer corrida de recuperação (Foto: Sutton Motorsport Images)

Red Bull – O time das latinhas vem confirmando sua evolução em relação a 2015. Daniil Kvyat se envolveu num enrosco com Vettel e Raikkonen no começo, fez ótima recuperação e chegou em terceiro. Daniel Ricciardo fez uma excelente largada, tomou a ponta, mas teve um pneu estourado, que comprometeu sua corrida. Perdeu um pódio certo, mas ainda conseguiu um excelente quarto lugar. A Red Bull já ultrapassou a Williams e já realidade o fato de que o time austríaco é a terceira força do certame, afastando o risco de andar atrás de sua equipe B. Com grana e gente capacitada em seus quadros, pode evoluir ainda mais e incomodar a Ferrari.

Williams – Grande corrida de Felipe Massa em Xangai. Com o limitado FW38, o brasileiro conseguiu se manter entre os ponteiros durante boa parte do GP Chinês e, com ajuda do time, que finalmente acertou na estratégia, manteve-se sempre na região dos pontos. Destaque para sua briga com Lewis Hamilton. Massa segurou o tricampeão de forma brilhante e conseguiu um suado sexto lugar, mas merecia melhor posição. Já Bottas se arrastou na pista. Com atuação apagada, o finlandês ainda saiu no lucro com o décimo lugar.

massa

Felipe Massa fez excelente corrida a bordo de seu limitado FW38 (Foto: Sutton Motorsport Images)

Toro Rosso – O time de Faenza não teve o mesmo desempenho do Bahrein, mas Max Verstappen e Carlos Sainz Jr foram bem, chegaram nos pontos, e mostraram consistência na pista. A equipe segue mostrando evolução, assim como seus jovens pilotos.

Force India – O grande destaque no fim de semana dos indianos foram as duas punições sofridas por Nico Hülkenberg. O alemão foi penalizado com a perda de três posições no grid, no sábado, devido a uma roda mal encaixada que se soltou de seu carro. Já na corrida, precisou parar por cinco segundos no box por ter andado demasiadamente lento no pit lane. A meu ver, em ambos os casos, a culpa foi da equipe. Primeiro por liberar o piloto para ir para pista com uma roda mal encaixada na qualificação, segundo por ter chamado os dois pilotos ao mesmo tempo para a troca de pneu durante a bandeira amarela, fazendo com que o germânico tivesse que quase parar para esperar seu companheiro terminar sua troca. Uma boa multa aplicada ao time estaria de bom tamanho. No mais, corrida normal do time indiano, finalizando no meio do bolo, com brilharecos de Sergio Pérez ao longo da prova. Hülkenberg conseguiu fazer a volta mais rápida da prova.

McLaren – Fernando Alonso voltou a guiar o MP4/31 mas, ainda sentindo dores devido ao acidente em Melbourne, não pode fazer muita coisa, embora tenha andado bem. Button também chegou a andar no pelotão da frente, mas isso se deve mais ao caos do que à sua performance. Ao menos ninguém quebrou o carro, nem se quebrou, nesse GP da China.

alonso

Mesmo com dores, Fernando Alonso voltou a correr na China (Foto: Sutton Motorsport Images)

Haas – Corrida apagada do time ianque. O desempenho nem de longe lembrou o brilhantismo dos dois primeiros GPs. O ritmo muito ruim da Haas em Xangai, fez com que nem Grosjean nem Gutiérrez conseguissem chegar nos pontos. Vamos ver o que vai acontecer nas próximas etapas.

Sauber – A crise da equipe parece não ter fim. A ida dos dois pilotos ao Q2 nos treinos parecia mostrar que o time suíço teria uma chance de melhora em Xangai, mas a realidade deu as caras na corrida. Sem muito o que fazer, os pilotos andaram no meio do bolo, terminaram fora dos pontos e vivem a angústia de não saber o que o futuro lhes reserva. Felipe Nasr ainda teve o azar de se envolver em um toque com Hamilton na largada. Além disso o brasileiro anda irritado com o fato de que seu carro supostamente anda muito pior que o de seu companheiro Ericsson. A cada dia que passa, fica mais evidente que a Sauber possa mesmo ser comprada pela FCA (FIAT-Chrysler) e se transformar no time oficial da Alfa Romeo. Sergio Marchionne, presidente do grupo, esteve no GP Chinês e disse expressamente que essa é uma possibilidade real.

Manor e Renault – Vou falar das duas juntas para poupar tempo. Pascal Wehrlein até teve um brilhareco na largada (eu venho falando que esse moleque é bom, gostaria de vê-lo num carro competitivo) mas a realidade é dura. Os dois times andaram atrás e passaram despercebidos. É evidente que a Renault não está dando a mínima para a temporada de 2016 e já tem os olhos voltados para 2017. Resta saber se essa estratégia vai funcionar.

podio

O pódio do GP da China (Foto: Sutton Motorsport Images)

Um dado curioso sobre esse GP da China: Não houve nenhum abandono, todos os 22 pilotos cruzaram a linha de chegada.

A próxima etapa da Fórmula 1 é o GP da Rússia, dia 1º de maio, nas ruas de Sochi.

Classificação final:

Sem título

Volta mais rápida: 1:39.824 – Nico Hülkenberg (Volta 48)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s