Grandes Mestres – Niki Lauda

De volta com a sessão Grandes Mestres, hoje vou falar de um cara que além de ter sido um gênio nas pistas, é um exemplo de superação, coragem e amor ao que faz: Andreas Nikolaus Lauda, ou simplesmente, Niki Lauda.

Andreas Nikolaus Lauda

Lauda nasceu em Viena, capital da Áustria, em 22 de fevereiro de 1949, em uma família abastada. Mas engana-se quem pensa que ele teve vida fácil, no começo de sua carreira, sua família era contra e não entrava com dinheiro para mantê-lo correndo, e Niki tinha que pegar empréstimos para pagar seus carros nas categorias de base. Além disso, trabalhava duro, como taxista, mecânico e ajudante de caminhoneiro.

Sua estreia no automobilismo foi em 1968, correndo em provas com Mini Cooper, logo depois, vai disputar a Fórmula Vee, passando depois para os carros esporte.

Em 1970, consegue um empréstimo em um banco na Áustria para disputar a Fórmula 2 pela March, logo sendo promovido para a equipe de Fórmula 1.

Sua estreia na categoria máxima foi no GP da Áustria de 1971, que ele abandonou por problemas mecânicos. Na verdade essa foi a única prova que Lauda disputou em 1971 na Fórmula 1.

Lauda na March em sua estreia na Fórmula 1 no GP da Áustria de 1971

Em 1972, ele continuou a disputar a Fórmula 2, mas fez sua primeira temporada completa na Fórmula 1. A temporada foi um fracasso, em ambas as categorias, e Lauda se vê cheio de dívidas em sem perspectiva nenhuma, entrando em profunda depressão. Nesse ponto, finalmente, sua família resolve ajudar, e usa de sua influência para conseguir um novo empréstimo para que ele possa continuar na Fórmula 1.

Em 1973, Lauda vai para a BRM, mas a tradicional equipe já está numa fase de grande declínio, e sua grande chance acontece no final desse ano, quando seu companheiro Clay Regazzoni, volta para a Ferrari e Enzo Ferrari o pergunta sobre Lauda. Regazzoni tece vários elogios ao companheiro de BRM e a Ferrari prontamente assina com ele. Assim, Lauda consegue um bom contrato com uma equipe de ponta e pode sair do buraco em que se encontrava.

Enzo Ferrari, Niki Lauda e Luca Di Montezemolo, 1974

Já em seu primeiro ano na escuderia italiana, Lauda consegue sua primeira pole-position no GP da África do Sul, e a primeira vitória, no GP da Espanha. Com mais uma vitória, no GP da Holanda e outros 3 pódios (todos em 2º lugar), termina o ano num excelente 4º lugar no Mundial.

Em 1975, finalmente todo seu esforço foi recompensado. O ano começa meio devagar para ele, com um sexto lugar na Argentina e dois quintos, no Brasil e na África do Sul, e um abandono na Espanha. Mas em Mônaco, finalmente a primeira vitória do ano. E aí vieram mais duas seguidas: Bélgica e Suécia. Lauda ainda vence mais duas provas no ano, na França e nos Estados Unidos, além de um segundo lugar na Holanda e dois terceiros, na Alemanha e Itália. No final, o tão sonhado título, com 19,5 pontos de vantagem para o vice-campeão, Emerson Fittipaldi.

Em 1975 Lauda chega ao título

1976. O ano começa muito bem para Niki, com duas vitórias seguidas, no Brasil e na África do Sul, dois segundos lugares, Oeste dos EUA e Espanha, e mais duas vitórias seguidas, Bélgica e Mônaco e um terceiro lugar na Suécia, abandonou o GP da França, e venceu o GP da Grã-Bretanha. Lauda chega à Alemanha com 61 pontos, 31 de vantagem para o segundo colocado Jody Scheckter (Tyrrell), e 35 para James Hunt (McLaren) e Patrick Dapailler (Tyrrell), que vinham logo atrás.

O grande prêmio alemão seria, mais uma vez, disputado no lendário Nürburgring Nordschleife, onde Lauda detinha o recorde de volta. Mesmo assim, ele queria que a corrida fosse adiada ou cancelada, ou transferida para outra pista, já que o velho circuito não tinha mais condições de segurança para os pilotos. Enfim, na segunda volta da corrida, a Ferrari de Lauda escapa, bate no Surtess de Brett Lunger, pega fogo e o piloto fica preso nas ferragens. O próprio Lunger, Arturo Merzário, Guy Edwards e Harald Ertl conseguiram tirar Lauda do carro em chamas. Ele estava consciente, mas com gravíssimas queimaduras, principalmente na cabeça, e sérias lesões pulmonares. Pouco depois entrou em coma. Para constar, James Hunt venceu a prova.

O terrível acidente de Lauda no GP da Alemanha de 1976

A situação de Lauda era crítica, e um padre chegou a ser chamado para lhe dar a extrema unção.  O acidente mostrou que o velho Nordschleife realmente não tinha mais condição nenhuma de receber uma etapa do Mundial de Fórmula 1. Não havia estrutura de resgate suficientemente eficiente para uma pista tão veloz e tão longa quanto essa, e a pista foi banida do calendário já no ano seguinte.

A Ferrari não participou do GP da Áustria, como forma de protesto pelo que havia acontecido ao seu piloto, e por achar que a Federação vinha dando uma “mãozinha” para James Hunt. Carlos Reutemann substituiu Lauda na Ferrari. Com Lauda fora de combate, Hunt aproveitou para encostar em Lauda.

Eu havia dito que Niki Lauda era o maior exemplo de superação, coragem e amor ao que faz. Pois bem, apenas um mês e meio (duas corridas) depois do acidente que quase o matou, e o deixou com sequelas para o resto da vida, lá estava o bravo Niki em Monza para a disputa do GP da Itália. E conseguiu um bom quarto lugar nessa corrida.

Apenas 1 mês e meio depois do acidente, Lauda chega para disputar o GP da Itália

Na sequência do campeonato, Hunt vence os GPs da Holanda Itália e EUA, e chega à última prova, no Japão, a apenas 3 pontos de Lauda. Era a primeira vez que a Fórmula 1 disputava um GP oficial na “Terra do Sol Nascente”. A prova foi disputada sob uma chuva torrencial no velocíssimo circuito de Fuji. Devido às péssimas condições da pista, por causa da chuva, Lauda resolve desistir, dizendo que “A Ferrari me paga para correr, não para me atirar da janela”. Resumo da ópera: Mario Andretti vence, com Depailler em segundo e Hunt em terceiro. O britânico da McLaren conquista seu único título na Fórmula 1.

Em 1977 Lauda mostra do que é feito. Em uma temporada bem mais disputada do que o que teria sido a anterior, caso não tivesse tido o acidente, consegue 3 vitórias, 6 segundos lugares e 1 terceiro, e na base da regularidade, consegue superar a concorrência e conquista seu bicampeonato mundial. Mas descontente com algumas atitudes da Ferrari, resolve deixar o time de Maranello no fim daquela temporada.

Em 1977, o Bicampeonato

Em 1978, vai para a Brabham com o, na época, astronômico salário de 1 milhão de dólares. Na equipe de Bernie Ecclestone, Lauda pilota um dos mais famosos carros da história da Fórmula 1, o BT46B Fan Car, que tinha um ventilador para puxar o ar debaixo do carro, fazendo aumentar o efeito-solo deste. Essa versão do carro correu apenas no GP da Suécia de 1978 e venceu com muita superioridade. Todo mundo chiou e o carro foi banido já na prova seguinte. Lauda conseguiu mais uma vitória no ano e terminou em quarto lugar.

Com o lendário BT46B

Em 1979, após uma temporada frustrante, em que não conseguiu nem um pódio e terminou apenas na 14ª posição, Lauda resolve abandonar a Fórmula 1 e cuidar da sua companhia aérea.

Mas em 1982, resolve aceitar a proposta da McLaren para voltar a correr. Mesmo estando por duas temporadas de fora, já na terceira prova do ano, em Long Beach, EUA, consegue sua primeira vitória depois de voltar à categoria. Vence ainda o GP britânico e termina o ano num bom quinto lugar.

Em 1983, uma temporada meio frustrante. A McLaren ainda contava com os defasados motores Ford DFV, enquanto que a maioria das outras grandes equipes (Lotus, Ferrari, Brabham, Renault e Alfa Romeu) já utilizavam os monstruosos motores turbo. Lauda marca apenas 12 pontos e fica em 10º.

Mas em 1984 a coisa muda completamente de figura. A McLaren vem com um conjunto muito forte, com o excepcional chassi MP4/2 e os excelentes motores Porsche turbo. Resultado: numa intensa disputa com seu companheiro de equipe, Alain Prost, Lauda conquista o tricampeonato com apenas meio ponto de vantagem para Prost, na decisão de campeonato mais apertada de todos os tempos.

Em 1984, o Tricampeonato

Em 1985, Lauda vê seu companheiro, Prost, dominar a temporada, e vence apenas uma corrida no ano, o GP da Holanda, que seria a última vitória de sua carreira, pois no fim daquela temporada, Lauda se aposenta definitivamente da Fórmula 1.

Depois de se aposentar, Lauda se manteve afastado do automobilismo, gerenciando sua companhia aérea. Nos anos 90 foi consultor da Ferrari, e de 2001 a 2003, diretor técnico da Jaguar.

Em 1993 foi introduzido no International Motorsports Hall Of Fame. Lauda escreveu vários livros, sobre automobilismo, e também sobre a sua história de vida.

Os números da carreira de Niki Lauda:

Primeiro Grande Prêmio: GP da Áustria de 1971

Último Grande Prêmio: GP da Austrália de 1985

Primeira Pole-Position: GP da África do Sul de 1974

Última Pole-Position: GP da África do Sul de 1978

Primeira Vitória: GP da Espanha de 1974

Última Vitória: GP da Holanda de 1985

Foram 177 GPs disputados (171 largadas) 24 poles, 24 voltas mais rápidas, 54 pódios, 25 vitórias, 420,5 pontos e 3 títulos mundiais.

Vídeo do acidente de Lauda, com ele mesmo mostrando o local, anos depois .

Coletânea de ultrapassagens de Lauda nos anos 80

Um tributo ao mestre

Grandes Mestres – Nelson Piquet

Hoje eu vou inaugurar uma nova sessão no blog, chamada Grandes Mestres.

Nela eu vou falar sobre pilotos, chefes de equipes e outras pessoas que foram parte importante da história da Fórmula 1.

E eu só poderia começar com meu maior ídolo nas pistas. Aquele que, em minha opinião, foi o piloto mais completo de todos os tempos: Nelson Piquet.

O gênio Nelson Piquet

Nelson Piquet Souto Maior nasceu no dia 17 de agosto de 1952, na cidade do Rio de Janeiro, mas logo cedo se mudou para Brasília, já que seu pai, Estácio Gonçalves Souto Maior, era deputado federal, e foi ministro da saúde, no governo do Presidente João Goulart.

Na infância e início da adolescência, Nelson foi um bom tenista, inclusive vencendo torneios nessa época. Ele jamais abandonaria esse esporte, tanto que, o desenho de seu capacete, é uma bola de tênis estilizada.

Contra a vontade de seu pai, aos 14 anos começa a correr de kart. Dessa época, existe uma história bem curiosa. Como o pai de Nelson não aprovava sua carreira de piloto, ele começou a correr usando o sobrenome de sua mãe, mas escrito Piket, de forma errada, para que sua família não desconfiasse. Em 1971 e 1972, se sagrou Bi-campeão Brasileiro de kart. Nessa época, Piquet trabalhava na oficina de seu amigo Alex Dias Ribeiro (que também foi piloto e chegou à Fórmula 1), e adquiriu grande conhecimento de mecânica, o que foi muito importante para seu desenvolvimento como piloto.

Com o amigo Roberto Moreno nos tempos do kart

Em 1976, foi Campeão da Fórmula Super Vê, categoria de monopostos com motor Volkswagen 1600, e no ano seguinte foi para a Europa, disputar o Europeu da Fórmula 3. Em 1978 se sagra campeão da Fórmula 3 Inglesa, que era o principal campeonato de F3 do mundo. No mesmo ano faz sua estréia na Fórmula 1, com um teste na pequena BS Fabrications, que corria com um chassi McLaren M23. Faz sua estréia em corridas no Grande Prêmio da Alemanha de 1978, pela Ensigne, mas disputaria três provas com o M23 da BS Fabrications. No Grande Prêmio do Canadá, ainda em 1978, faz sua estréia pela Brabham, ao lado do então Bi-campeão Mundial Niki Lauda, e de John Watson (Piquet correu com terceiro carro da equipe, com o número 66). Era o início de uma parceria vitoriosa com a equipe de Bernie Ecclestone.

Fórmula Super Vê

Fórmula 3 britânica

Estréia na F1, teste pela BS Fabrications

Primeira corrida pela Brabham (muito legal esse número 66 no carro)

Em 1979, é confirmado como titular na Brabham, junto com Lauda, que abandonaria, temporariamente, a categoria, antes do fim da temporada. Terminaria o ano em 15º, com 3 pontos. Em 1980, Nelson chega à sua primeira vitória, no dia 30 de março, no Grande Prêmio do Oeste dos EUA, em Long Beach. Vence mais duas corridas, o GP da Holanda, em Zandvoort, e o GP da Itália, Ímola, chegando ao vice-campeonato no fim da temporada.

Em 1981 o momento de consagração: com três vitórias (Argentina, San Marino e Alemanha), Piquet se sagra Campeão Mundial de Fórmula 1, numa intensa disputa com Carlos Reutemann, vencendo o já veterano argentino por apenas um ponto.

1981, primeiro título na F1

Em 1982, Piquet começa o ano ainda com modelo do ano anterior da Brabham, o BT49 D/Ford –Cosworth. Com esse carro, vence o GP do Brasil, em Jacarepaguá, mas sua vitória é cassada, porque seu carro estava abaixo do peso. O pivô dessa situação foi o lendário sistema de refrigeração a água dos freios do carro, uma pequena artimanha de Piquet e seu engenheiro, Gordon Murray. Quando o carro era pesado, antes da prova, eles enchiam o reservatório do sistema. À medida que o sistema era usado, o nível da água diminuía, deixando o carro mais leve que os demais. No final da corrida era feita a reposição dos fluídos (o que era permitido pelo regulamento da época), e o carro voltava a ter o peso mínimo permitido.

A partir do GP da Bélgica, em Zolder, é utilizado o modelo BT 50, com motor BMW turbo, e Nelson obtém sua única vitória no ano, no GP do Canadá, terminando a disputadíssima temporada de 1982 em 11º lugar

Em 1983 Nelson volta ao topo, vencendo os GPs do Brasil, Itália e Europa, sagrando-se Bi-campeão Mundial. Igualando o feito de Emerson Fittipaldi. Sendo, também, o primeiro piloto a ser campeão utilizando um carro com motor turbo.

O lindo BT52/BMW, de 1983, ano de seu bi-campeonato

Em 1984, uma temporada meio frustrante, com constantes abandonos por problemas mecânicos, mas com duas vitórias: Canadá e Leste dos EUA. No Canadá ocorre a famosa cena de Piquet mostrando o pé, queimado pelo radiador de óleo que ficava no bico do carro, para Lauda e Prost, no pódio. Como saldo final do ano, o 5º lugar no Mundial.

Em 1985, com problemas de desenvolvimento de pneus, Piquet consegue somente uma vitória, na França, terminando o ano em 8º lugar

No final desse ano, Nelson encerra sua vitoriosa parceria com a Brabham e ruma para a Williams.

A Williams era a grande equipe do momento, tinha um ótimo carro, o FW11, e os espetaculares motores Honda Turbo, que se não eram os mais potentes (perdiam um pouco para os Renault Turbo da Lotus), eram os mais eficientes e confiáveis.

E é lá que Nelson inicia a maior rivalidade de sua carreira, com o inglês Nigel Mansell.

A equipe tinha tudo na mão para engolir a concorrência, mas por problemas de relacionamento entre os pilotos (e pelo favorecimento que a maior parte do time deu a Mansell), ambos perdem o Campeonato para Alain Prost, numa McLaren que vinha com um conjunto de chassis e motor já bastante defasado. Nesse ano Piquet faz aquela que é considerada por muitos como a mais bela ultrapassagem da história da Fórmula 1. Foi no GP da Hungria, sobre Ayrton Senna. Numa pista em que praticamente não existem pontos de ultrapassagem, Nelson joga o carro de lado na curva 1 e ultrapassa um atônito Senna, que, com certeza, não esperava por aquilo. Mesmo com quatro vitórias no ano, Piquet termina em 3º lugar.

Piquet e Mansell, Williams FW11/Honda, 1986

Mas em 1987 a história seria outra.

Se a Williams dominou toda a temporada de 1986, mas não levou o caneco, em 1987, Piquet e Mansell não deixariam que isso se repetisse.

Piquet sofreu um grave acidente logo no início do ano, em um teste no circuito de Ímola, na mesma curva Tamburello que se tornaria famosa pela morte de Ayrton Senna. “Depois desse acidente, minha visão nunca mais foi a mesma, e eu perdi uma parte da noção de profundidade”, declarou Piquet anos depois.Mesmo assim, Piquet e Mansell disputaram o título corrida a corrida – e Piquet, para driblar o alegado favorecimento da equipe ao inglês, lançou mão de suas conhecidas artimanhas, como testar com uma configuração ruim do carro, que muitas vezes seria copiada pelos mecânicos de Mansell, e alterá-la completamente minutos antes do treino ou da corrida.

Nos treinos para o GP da Itália, em Monza, o piloto brasileiro estréia a suspensão ativa. Consegue a pole, e também vence. Na prova seguinte, o novo componente é colocado no carro do piloto inglês, mas ele não consegue um acerto adequado. Para não favorecer apenas um lado, a equipe Williams resolve retirar a suspensão dos dois carros. A alegação é que o novo componente não estava totalmente pronto para enfrentar uma corrida e que seria muito arriscado colocar uma nova tecnologia sem ainda ter uma certeza plena de que ela seria melhor e mais resistente que a suspensão tradicional. A verdade é que Mansell não entendia o funcionamento correto dela, diferente do Piquet que tirava máximo proveito. Resultado: na reta final, os dois carros voltam para a suspensão convencional em condições iguais. Nos GPs da Espanha e México, Mansell vence com Piquet em quarto e segundo lugar respectivamente. O brasileiro vai para o Japão com 12 pontos de vantagem. Nos treinos oficiais, no circuito de Suzuka, na ânsia de superar o tempo do seu companheiro de equipe, Mansell sofre um forte acidente, embora não o tenha causado ferimentos sérios, deixou-o sem condições para disputar a prova, e Piquet sagrou-se tricampeão mundial por antecipação.

Na última corrida, o GP da Austrália, em Adelaide, o piloto inglês não aparece. Acabou sendo substituído pelo italiano Riccardo Patrese.

Williams FW11B/Honda, Piquet tri-campeão, 1987

Em 1988, Piquet se transfere para a Lotus, com um contrato milionário e apoio da Honda, que troca a Williams pela McLaren e pela antiga equipe de Colin Chapman.

Mas a Lotus não consegue um bom resultado com o modelo 100T, que não alcança um bom desempenho na temporada, mesmo com o ótimo motor da Honda. Segundo Nelson o grande problema do carro era o excesso de torção na parte traseira do chassi.

Em 1989 a coisa piora mais ainda, com a perda dos motores Honda, restando à Lotus utilizar os fraquíssimos Judd, chegando ao ponto de Piquet não conseguir se classificar para o GP da Bélgica.

Piquet e o Lotus 100T/Honda, 1988

Desiludido com a Lotus, Piquet se manda para a Benetton, que se não tinha um grande motor (corria com os Ford-Cosworth HBA4 3.5 V8), contava com um excelente chassi, o que permitiu a Nelson vencer duas corridas na temporada, o polêmico GP do Japão (fazendo dobradinha com seu velho amigo Roberto Moreno, também da Benetton), e o GP da Austrália.

Em 1991, ainda na Benetton, Nelson obteve sua última vitória na F-1 no Grande Prêmio do Canadá, e também em cima de Mansell – a quem Piquet se referia ironicamente como “o idiota veloz”. O inglês liderava com mais de 50 segundos e, na última volta, já acenando para os torcedores, começou a andar lento. Por causa disso, o alternador não gerou energia suficiente para abastecer toda a eletrônica embarcada do Williams e o carro simplesmente “morreu”. Após a vitória, Piquet passou pelo carro parado de Mansell acenando para o rival. Depois declarou que quando viu o carro do piloto inglês parado naquele momento “quase teve um orgasmo”. Neste mesmo ano, a Benetton substituiu Roberto Moreno por Michael Schumacher, patrocinado pela Mercedes-Benz, que até então havia disputado apenas sua corrida de estréia na Fórmula 1. Insatisfeito com as perspectivas da sua equipe para a temporada de 1992, já que o novo motor Ford Cosworth não era suficientemente potente para deixá-lo em condições de voltar a brigar por títulos, Piquet, já com 39 anos de idade e 204 GPs no currículo, decidiu abandonar a categoria máxima do automobilismo após chegar em 4º lugar no chuvoso Grande Prêmio da Austrália. Encerrou sua carreira na principal categoria em 6º lugar com 26.5 pontos.

1990, na Benetton

O pódio do mágico GP do Japão de 1990

Em 1992, Piquet decidiu correr as 500 Milhas de Indianápolis, com um Lola-Buick da equipe Menards. Rapidamente se destacou como o mais rápido entre os estreantes. Mas, em um dos treinos, um furo lento num pneu fez o carro rodar a toda velocidade na curva 4 e se espatifar de frente na mureta de proteção do circuito. Além de traumatismo craniano e lesão torácica, Piquet sofreu fraturas múltiplas nas pernas e nos pés, em que perdeu dois dedos. Várias cirurgias no Hospital Metodista de Indianápolis reconstruíram os membros inferiores, mas deixaram seqüelas que obrigaram o brasileiro a abandonar as categorias de monopostos. Mesmo assim, Piquet voltou a Indianápolis para a corrida de 1993, pela mesma equipe, mas foi obrigado a abandonar por problemas de motor.

Desde então, Piquet corre apenas por prazer em eventos como as 24 Horas de Le Mans e as 24 Horas de Spa-Francorchamps, e em provas de Turismo como a Mil Milhas Brasileiras, que, aliás, venceu duas vezes – a última em 2006, dividindo um Aston Martin DBR9 com Hélio Castroneves, Christophe Bouchut e Nelson Ângelo Piquet.

Última vitória do mestre na F1, GP do Canadá, 1991

Um belo tributo (com uma bela música de Bryan Adams) ao mestre Nelson Piquet

A mais bela ultrapassagem do todos os tempos

A boca maldita do Nelsão

Tirando sarro do Prost

O “Golpe Lango-Lango”

Irritando Jean-Marie Balestre